Nutricionista

A defesa é o melhor ataque

Daniela Marques Eckert

O sistema imunológico é o mecanismo pelo qual o nosso corpo luta contra invasores como vírus, bactérias, protozoários, fungos e venenos, capazes de provocar doenças. Embora ele seja parte natural do organismo, é possível fortalecê-lo e torná-lo mais preparado para combater esses agentes, evitando ou retardando assim, o surgimento de uma série de problemas de saúde. Doenças como alergia, asma e doenças intestinais inflamatórias têm suas raízes em distúrbios do sistema imune, sendo que este sistema também está envolvido nas doenças cardiovasculares e no câncer.
A alimentação é uma das principais aliadas das células de defesa e, na quantidade adequada, certos nutrientes podem, entre outras coisas, aumentar o número dessas células no corpo e estimular a ação delas quando o organismo se depara com um quadro de infecção.
Alguns nutrientes que auxiliam na defesa do organismo:
•Acido graxos omega 3 e omega 6: tem o papel de fornecer energia às células imunes e são precursores de hormônios que exercem efeitos sobre a resposta imune. Fontes: salmão, atum, sardinha, óleos vegetais, sementes como chia e linhaça, oleaginosas, semente de abóbora e gema de ovo.
•Vitamina A: para poder se desenvolver normalmente e para o bom funcionamento de seus muitos tipos de células sanguíneas, entre elas os linfócitos, o organismo precisa de um suprimento adequado de vitamina A. Fontes: fígado, gema de ovo, leite e derivados.
•Vitamina D: indivíduos com deficiência de vitamina D sofrem com infecções respiratórias mais frequentes e mais graves. A incidência frequente de infecções respiratórias no inverno pode ser causada por uma deficiência de vitamina D, já que a radiação solar é consideravelmente mais baixa no inverno do que no verão. Fontes: leite e derivados, manteiga, salmão, sardinha, gema de ovo e fígado.
•Vitamina E: a deficiência de vitamina E compromete vários aspectos da resposta imune, entre eles a imunidade mediada por células de defesa. Fontes: óleos vegetais, abacate, oleaginosas e semente de girassol.
•Vitamina B6: é essencial para grande variedade de reações necessárias para a síntese e o metabolismo de aminoácidos (componentes unitários das proteínas) e, durante a resposta imune, a necessidade de síntese proteica é maior. Sua deficiência compromete a produção de anticorpos e a atividade das células de defesa. Fontes: levedo de cerveja, frango, peixes, fígado, cereais integrais e leguminosas.
•Vitamina C: devido à sua atividade antioxidante, protege as células imunes do dano oxidativo. O timo é uma glândula que apresenta concentração elevada de vitamina C. Ele desempenha papel crucial na imunidade mediada pelas ações dos linfócitos T (células de defesa). Fontes: pólen de abelha, frutas cítricas, melão, caju, tomate, brócolis, aspargo e folhas verdes.
•Zinco: é um cofator de várias enzimas envolvidas nas respostas antioxidantes que contribuem para um menor dano oxidativo nas células imunes. Fontes: carne vermelha, ovos, cereais integrais, aveia, leguminosas, leite e derivados.
•Selênio: trata-se de um elemento essencial para a resposta imune mais adequada, desempenhando papel fundamental como antioxidante, inclusive na proteção do DNA. Fontes: castanha-do-pará, frutas secas, carnes, peixes e frutos do mar.
•Fitoquímicos: carotenoides como o licopeno e β-caroteno são fitoquímicos antioxidantes e, além disso, o β-caroteno é um precursor da vitamina A. dietas ricas em carotenoides reduzem o risco de infecções respiratórias e inflamações. Os flavonoides também são fitoquímicos que provocam efeitos imunossupressores. A alicina é um fitoquímico presente no alho que melhora as células de defesa tornando gripes e resfriados menos graves. Fontes: frutas e hortaliças em geral.
•Probióticos: são encontrados em alimentos fermentados, entre os quais os iogurtes e leites fermentados elaborados especificamente para conter bactérias benéficas para a saúde. Tanto a resposta imune inata quanto a adquirida podem ser moduladas por probióticos de maneira dependente da cepa e da dose.
•Prebióticos: inulina, FOS e lactulose servem de fonte de energia e carbono, sendo assim, alteram a composição da microbiota intestinal, aumentando a proporção de bactérias benéficas. Fontes: chicória, alho-poró, alho, banana, cebola, tomate, beterraba, aspargo, alcachofra, batata yacon, centeio, aveia, trigo.
Lembre-se que seu sistema imunológico precisa estar reforçado e cuidados com o intestino são essenciais, portanto procure um nutricionista que possa lhe ajudar a cuidar desse órgão. O profissional também poderá lhe prescrever probióticos e fitoterápicos específicos que melhoram esse sistema.







https://www.facebook.com/imprensa.povo/
Facebook jornal.png

Rua João Pessoa, 1969 - Sala 003 | Pinhalzinho | 049 3366-3910

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina