Produtividade

Produtores terão incentivos para plantio de milho em Santa Catarina

Por Ivan Ramos

Por Ivan Ramos
Santa Catarina tem um deficit de mais de 03 milhões de toneladas de milho. Para atender a demanda do agronegócio catarinense e tornar atrativa a produção do grão no Estado foi elaborado o Programa de Incentivo ao Plantio de Milho em Santa Catarina. A iniciativa, em fase de conclusão, é da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, Fecoagro, Cooperativas e Agroindústrias.
Com o objetivo de levantar as demandas das cooperativas e estabelecer uma previsão do que o programa atingirá, a Fecoagro e a Secretaria de Agricultura, com apoio da Cooperativa Central Aurora Alimentos, promoveram reunião nessa semana, na Aurora Matriz, em Chapecó. Participaram do encontro os gerentes comerciais e presidentes de cooperativas catarinenses.
O programa entrará em operação no início de maio. Entre os objetivos da iniciativa estão: ampliar em 100 mil hectares a área plantada em Santa Catarina; garantir um preço remunerador ao plantador; oferecer os insumos necessários em um pacote tecnológico com prazo de safra; assegurar a compra do milho com margem ao agricultor, em volume mínimo para pagar os insumos e confirmar a venda do grão à agroindústria em preço compatível com os custos
PRODUTIVIDADE
de produção.
“Urgentemente, precisamos, ampliar a produção ou a produtividade do milho para reduzir a dependência de importação de outros Estados da Federação. Levantamento revela que o Governo do Estado de Santa Cantarina perde 8,4% do valor do milho comprado em outros Estados. Então, apenas com o cálculo de ampliação do programa que deve proporcionar ampliação de 840 mil/toneladas, a perda de ICMS seria de aproximadamente R$ 45 milhões”, explicou o diretor executivo da Fecoagro, Ivan Ramos.
Para o presidente da Fecoagro, João Carlos Di Domenico, o novo programa é espetacular por possibilitar o atendimento da demanda do agronegócio. “Esta iniciativa requer uma grande estrutura logística que viabilizará benefícios ao setor produtivo e segurança ao consumidor final. O que nos preocupa é a redução da área plantada de milho no Estado nos últimos anos, em 2010/11 eram 548 hectares e caiu para 367 na safra 2015/16”, argumentou.
O programa prevê uma produtividade mínima de 8.400 Kg/ha com preço de garantia pago ao produtor por saca. O custo de produção no momento estimado está em R$ 25,83 por saca para pagamento a prazo ou R$ 24,83 para pagamento em até 30 de maio de 2016, com seguro incluso. Pelo contrato o produtor terá obrigatoriedade de entregar a produção para a cooperativa, contudo permite a venda do excedente. “O que falta definir é o seguro da produção e o valor de subsídio pelo Governo do Estado por meio do ICMS”, explicou o diretor de cooperativismo e agronegócio da Secretaria da Agricultura, Athos de Almeida Lopes Filho.






https://www.facebook.com/imprensa.povo/
Facebook jornal.png

Rua João Pessoa, 1969 - Sala 003 | Pinhalzinho | 049 3366-3910

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina